Os 1% mais ricos concentram 28,3% da renda total do país, conforme ranking da ONU sobre o IDH.

Brasil perde apenas para o Catar em desigualdade de renda, onde 1% mais ricos concentram 29% da renda.

A concentração da renda no Brasil continua sendo uma das mais altas do mundo, conforme o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado nesta segunda-feira (9).

O Brasil está em segundo lugar em má distribuição de renda entre sua população, atrás apenas do Catar, quando analisados os 1% mais ricos. No Brasil, os 1% mais ricos concentram 28,3% da renda total do país (no Catar essa proporção é de 29%).

Ou seja, quase um terço da renda está nas mãos dos mais ricos.

Já os 10% mais ricos no Brasil concentram 41,9% da renda total. O relatório considera todos os países para os quais a ONU tem dados disponíveis no período de 2010 a 2017 e adota a informação mais recente para cada país. Mulheres estudam mais no Brasil, mas têm renda 41,5% menor que homens Apesar de leve melhora, Brasil perde uma posição no ranking do IDH da ONU Brasil perde uma posição em ranking do IDH O Brasil ficou na 79ª posição no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Medido anualmente, o IDH vai de 0 a 1 – quanto maior, mais desenvolvido o país – e tem como base indicadores de saúde, educação e renda.

Neste ano, o Brasil alcançou o IDH de 0,761, com uma pequena melhora de 0,001 em relação ao ano passado. Na classificação da ONU, o Brasil segue no grupo dos que têm alto desenvolvimento humano.

A escala classifica os países analisados com IDH muito alto, alto, médio e baixo. Apesar do leve aumento, o Brasil caiu uma posição no ranking mundial em relação à publicação anterior, passando da 78ª para 79ª. Esta reportagem está em atualização. Comunidades da Vila Andrade contrastam com o luxo de mansões do Panamby, na Zona Sul de SP Celso Tavares/G1